Artigos

Relato de uma visita da seleção brasileira a Portugal no tempo de Eusébio

Publicado em

eusebioApós a morte de Eusébio da Silva Ferreira, andei a pesquisar algumas histórias sobre a sua época de ouro (anos 60), encontrei um livro escrito por um jornalista/treinador (!!!) brasileiro que num dos capítulos relata a vinda da seleçao brasileira a Portugal para jogar com a seleçao das quinas,… curioso o ponto de vista!

“O futebol brasileiro faz muitas excursões ao exterior, principalmente à Europa. Em algumas, com notáveis exibições, deixou saudades. Em outras, não fez notáveis exibições e não deixou saudades.
Europa desta vez. Fui para rádio e jornal e um ou outro VT de televisão, pois não havia transmissão direta. Ainda não tinham bolado os satélites de comunicação e não dava para transmitir jogos diretamente.
Então, a saída da seleção parecia mais a saída de um corpo expedicionário para a Segunda Frente. Não, Segunda Frente já tinha sido aberta na Segunda Guerra Mundial. Então poderia ser a Terceira.
O aeroporto do Galeão estava em polvorosa. Todas as organizações de rádio que iam viajar estavam lá com seus fios e microfones. E não eram somente as do Rio de Janeiro. As outras, as dos diferentes estados, não iriam deixar de cobrir a saída de uma seleção. Ainda mais que desta vez a viagem era das grandes.
Não sei se consigo contar a história daquela saída.
Os fios de microfone pareciam uma imensa macarronada. “Cuidado com meu fio!”, berrava um. O outro remendava: “Este fio é meu, vai te criar e não enche.” No meio disso o Caçapa, eficiente operador da Rádio Mundial, gritou: “Estou preso… me tirem daqui… posso morrer… aqui também tem fio de força da Light.” (A Light já tinha saído do Brasil na década de 40, mas Caçapa queria era socorro urgente.)

O alto-falante tentava gritar sua mensagem: “Senhores… senhores! Tenham paciência… nosso vôo nº 700 para
Lisboa já está chamando há meia hora. Senhores passageiros, dirijam-se urgente para o embarque no portão 7… por favor… Senhores membros da delegação de futebol… nosso avião…”
Mas não adiantou. muito. Não valeu muito o “último aviso” . Ainda tiveram de dar mais uns oito “último aviso”. E quando um dos rapazes da Companhia Aérea tentava tirar um dos jogadores do meio de um bolo de microfones um dos repórteres gritou: “Estão impedindo nossa missão de bem informar. Isto é uma censura…uma
ditadura… uma arbitrariedade. Estamos aqui há várias horas… nao pode… é…
Até que apareceu alguém da delegação e foi tirando os jogadores das entrevistas. Mas veio a réplica: “Este cara não joga nada… não passa de um carona~.. e carona que recebe para viajar… este cara viaja à custa do contribuinte brasileiro!” Mas o cara era enérgico, o avião já estava atrasado uma hora, os outros passageiros reclamavam e uma mãe gritava quase em desespero:
“Isto é falta de respeito… aqui tem senhoras e crianças… aqui…” Não adiantava.
Uma “rádio” entrara no avião e lá de dentro o repórter gritava: “A única emissora que entrou no avião da Seleção…” Um passageiro que já estava cheio de esperar corrigiu: “Ué, e eu que pensava que este avião era da Varig…” O repórter ficou fera
e disse, sem se lembrar que estava de microfone aberto: “Ora, não enche e vai tomar banho, seu engraçadinho! Vai ver a mamãe em Portugal?”

Lá em Lisboa, o aeroporto Portella de Sacavém fica bem ao lado do mar. Bonito lugar, e os portugueses são encantadores. Mas um deles, quando a pista acaba e onde tem um murinho, escreveu “Fim da Pista”. Bom, se o aviador não parar a aeronave, o bicho
vai para dentro d’água. E se o aviador for inglês ou sueco? Como é que fica? Todo molhado?
Fizemos fotografar a inscrição e também uma plaquinha que existia na avenida da Liberdade, bem perto do monumento ao marquês de Pombal. Lá estava, em letras brancas sobre a plaquinha preta de uns vinte centímetros de altura sobre cinqüenta de largura: “É proibido pisar na grama. Quem não souber ler pergunte ao guarda.” E agora? Mandei as fotos para o Samuel Wainer no Última Hora, que publicou.
Tiraram a placa imediatamente. Mas a inscrição do aeroporto ainda ficou.
Os portugueses sempre nos recebem com muito carinho, em todos os aspectos.
O primeiro jogo daquela seleção foi na cidade do Porto. Nosso time era bem fracote. Um a zero para eles e eu achei bom negócio. Os portugueses estavam no campo com Eusébio, Coluna, Vicente, Costa Pereira, Germano, Simões, todos africanos de Lourenço Marques e Angola. Um timaço que mais adiante foi terceiro
na Copa da Inglaterra. E se a Copa não fosse na Inglaterra duvido um pouco que aquele time tivesse perdido para os ingleses na semifinal, apesar dos ingleses terem formado na época uma grande seleção.
Mas o caso é que enquanto nosso time era formado à base de muitos
preconceitos, o deles era apenas à base de grandes jogadores. Aquele time e o do Benfica, que era sua quase totalidade, foram das melhores coisas que o futebol já produziu.
Nós estávamos cheios de concepções incrivelmente falsas, mas que
prevaleceram por algum tempo. A do racismo foi muito séria, principalmente num país como o nosso, onde negros e mestiços constituem maioria.
Pois há ou havia na CBD um relatório que teve origem numa excursão bem ruinzinha da seleção brasileira à Europa em 1956. Lá estava bem escrito que “os jogadores de raça negra perdem sua maior potência em competições mundiais importantes” . E davam alguns “fatos” como a participação de Bigode, Juvenal e
Barbosa na-final de 1950.

Mas o time da seleção portuguesa não tinha nada com isso e lá não havia preconceito na formação da seleção. O mulato Oto Glória foi durante anos o laureado treinador.
Então eles nos meteram um a zero no estádio das Antas, no Porto. O jogo foi “abafado ao alho”, realizado durante os festejos de São João. E os portugueses fazem a festa dando porradas na cabeça de quem estiver sem chapéu com um bom dente de alho-poró. Levei duas ou três e voltei ao hotel para me cobrir. O Jorge Cúri
rpe perguntou: “Ué, já estás de volta? É a festa de São João!?” Fiquei na moita sobre a “festa”, mas disse: “Depois da esquina é que é o quente.” Alguém que também estava voltando, ao ver a careca do Cúri, uma bola de bilhar e bem limpinha,
reforçou: “É, é ali mesmo… ali que é o bom da festa.”
Jorge chegou na esquina com aquela linda cabeça e os gajos caíram-lhe em cima. Diziam, entusiasmados: “Ai, que rica carequinha…” E tome porrada com o alho. O Cúri não esquentou, voltou para o hotel, botou um gorro de lã e entrou na
festa. No dia seguinte, aquela rua e as vizinhas estavam cobertas de alho. Ali pelo meio dia estavam limpas. Mas o cheiro ficou.
Íamos saindo do estádio, com o um a zero no “coco” , quando chegaram dois brasileiros em um carro que vinha veloz. Frearam de repente e dele saltaram os dois passageiros, perguntando ansiosos pelo resultado. Respondemos: um a zero para eles! Os dois aumentaram seu ar de desapontamento e confessaram: “Olha, saímos
do Brasil ontem à noite. Atrasou tudo e chegamos em Lisboa um pouco tarde.
Fretamos um avião, alugamos um carro e mandamos brasa… mas não deu tempo e só agora…” Pombas, gastar uma nota daquelas de avião, fretar outro avião; alugar um carro no aeroporto e chegar depois do jogo!? Era dose.
Mas o Antônio Carlos de AImeida Braga, que era um deles, pediu encarecidamente:
“Não digam nada… não digam que chegamos atrasados… não espalhem… estávamos batendo um papo ontem lá em casa, no Rio, quando resolvemos ver o jogo… puxa, não deu jeito.” O outro era o jornalista Armando Nogueira, que implorou: “Não digam nada, se não vão nos gozar até o Juízo Final.”
Todos prometeram não mandar nada a respeito. Mas com a derrota… e a falta de notícias… acho que nem todos cumpriram o prometido.
Logo depois do jogo voltei para o hotel. Tive sorte e nem bem saía do estádio das Antas apareceu o Pimenta num carro muito bonito e me deu carona. No caminho ele disse: “Aluguei isto. Eú queria um Mercedes, mas eles não tinham.”
E fomos falnando pelas ruas do Porto. Mal chegamos ao hotel, uma senhora chegou-se e me reconheceu: “Conheço-o da televisão, quando lá estive no Rio de Janeiro.” E despencou uma saraivada de palavras e de críticas ao nosso time. Achava que fizemos. péssima partida. Eu tentei dizer-lhe que a seleção portuguesa era muito
boa, mas não pude nem respirar. A dona falava como metralhadora e me abafou. E ia dizendo: “O sr. Feola que me perdoe, deveria ter mandado marcar os dois principais jogadores nossos, o Eusébio e o Coluna. Foi um erro… foi um erro.” “Mas minha senhora…”, tentei argumentar. “Não, não e não, cavalheiro. Isto foi um tre-
mendo erro tático…” Concordei e ia dizendo: “É isso, mas…” “Não, não é isto coisa alguma”, dizia ela, entrando de sola. E desceu a ripa no nosso time, do goleiro ao ponta-esquerda.

Continuava falando sem parar quando chegou o resto da turma, em um ônibus especial. Iam entrando no saguão e sentando nas confortáveis poltronas. Ninguém conseguia dar um pio. A Dona Frances de Vasconcelos era só quem falava.
Então, um dos colegas da imprensa brasileira perguntou: “Mas quem é ela, que entende tanto de futebol?” Aí respondi: “Meus amigos, apresento-Ihes a Portuguesa de Desportos…” Não sei se ela gostou muito. Afinal, sabia tudo de futebol.”

Tútulo do Livro: Futebol e Outras Histórias
Autor: João Saldanha
Ano publicação: 1988País: Brasil

Curiosidades sobre o autor:
João Alves Jobin Saldanha (1917-1990) foi jornalista e treinador de futebol. Ele levou a seleção brasileira a classificar-se para a Copa do Mundo de 1970.
(O Presidente da CBD – Confederação Brasileira de Desportos, João Havelange alegou que o contratou na esperança de que os jornalistas fizessem menos críticas à seleção nacional, tendo um deles como técnico.)

Anúncios

O uso da maturação somática na identificação morfofuncional em jovens jogadores de futebol

Publicado em Atualizado em

portada_130Atualmente, é crescente o número de estudos que visa identificar e analisar parâmetros morfológicos e físicos de crianças e adolescentes inseridos em treinos sistemáticos nas mais variadas modalidades desportivas. O conhecimento do perfil relacionado a essas variáveis e de seus respectivos comportamentos e respostas ao processo de treinamento é fundamental para o contexto da especialização esportiva.

Tivemos acesso a um estudo muito interessante que irá ser publicado na Revista Andaluza de Medicina del Deporte no próximo mês de setembro. Nesse trabalho efetuado por A. L. Mortatti, R. C. Honorato, A. Moreira, M. de Arruda o objetivo é :

“As modificações que ocorrem com os jovens nas idades anteriores ao pico de velocidade de crescimento (PVC) podem influenciar de maneira direta o seu desempenho nas atividades esportivas. Considerando esse pressuposto, o objetivo deste estudo foi analisar o efeito da maturação somática nas variáveis motoras e corporais de jovens futebolistas.”

“Os resultados da análise de variância demonstram que o desempenho no salto vertical com contra movimento (…) e no salto horizontal (…) é influenciado pelo nível maturacional, o mesmo ocorrendo para a flexibilidade (…). Por outro lado, o desempenho no teste de potência aeróbia não foi afetado pelo nível maturacional. As variáveis corporais somatotipo e o recíproco do índice ponderal se mantiveram estáveis independentemente do grau de maturação; apenas foram verificadas diferenças nos valores corporais para o IMC.”

Neste trabalho concluiu-se que:

“A determinação dos estágios maturacionais dada pelos anos em relação ao PVC (pico de velocidade de crescimento) dentro de uma determinada faixa etária pode ser um valioso instrumento de orientação para técnicos e treinadores na adequação dos treinamentos em função da real condição funcional de seus jovens atletas.”

Identificação de jovens talentos para o futebol

Publicado em

Os estudos académicos não são muitos, mas já vão aparecendo alguns sobre o tema acima mencionado, este artigo de revisão é o mais recente:

“The purpose of this review article was firstly to evaluate the traditional approach to talent identification in youth soccer and secondly present pilot data on a more holistic method for talent identification. Research evidence exists to suggest that talent identification mechanisms that are predicated upon the physical (anthropometric) attributes of the early maturing individual only serve to identify current performance levels. Greater body mass and stature have both been related to faster ball shooting speed and vertical jump capacity respectively in elite youth soccer players. This approach, however, may prematurely exclude those late maturing individuals. Multiple physiological measures have also been used in an effort to determine key predictors of performance; with agility and sprint times, being identified as variables that could discriminate between elite and sub-elite groups of adolescent soccer players. Successful soccer performance is the product of multiple systems interacting with one another. Consequently, a more holistic approach to talent identification should be considered. Recent work, with elite youth soccer players, has considered whether multiple small-sided games could act as a talent identification tool in this population. The results demonstrated that there was a moderate agreement between the more technically gifted soccer player and success during multiple small-sided games.”

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23046427

Qualidade, satisfação e lealdade dos espectadores de futebol

Publicado em

Foi publicado um estudo que pretende aferir os atributos de qualidade mais valorizados no jogo de futebol e medir o seu impacto na satisfação e na lealdade. Foram recolhidos 455 inquéritos em 3 jogos da Liga Sagres (época 2009/2010). Através de uma análise factorial foi identificado que a capacidade de comunicação e o relacionamento com o pessoal de apoio, as acessibilidades e segurança, os aspectos tangíveis, a atmosfera, a equipa técnica, a competição e os adversários, são os atributos que os espectadores mais valorizam na avaliação da qualidade de um jogo de futebol.  Foi verificado ainda que os atributos identificados na qualidade ajudam a explicar a satisfação dos espectadores, nomeadamente a capacidade de comunicação e o relacionamento com o pessoal de apoio, os aspectos tangíveis, a equipa técnica e, as acessibilidades e segurança. Quanto à lealdade os mesmos têm um impacto reduzido, sendo que a atmosfera, as acessibilidades e segurança, a equipa técnica e, os aspectos tangíveis são os atributos que assumem maior relevância.

Esta é uma Tese de Mestrado apresentada por Luíz Santos na FMH em 2011 e pode ser consultada aqui.

Costinha o antibenfiquista

Publicado em Atualizado em

A carreira desportiva do Costinha foi diferente da maioria, ou seja, pulou da Madeira para o Mónaco sem passar pela 1ª Divisão portuguesa (actual Liga Zon/Sagres). Depois, voltou em grande para o FC Porto e revelou-se um jogador muito útil, até mesmo na selecção nacional. Para terminar andou a ganhar dinheiro pela Rússia e pela Itália (pouco jogou).

Durante estes anos, o Costa deu muitas entrevistas e em quase todas me surpreendia,… sim! Desde a mania dos casacos e dos fatos diferentes das outras pessoas, até jogar no FC Porto e dizer que era sportinguista. Demonstrava algumas ideias diferentes da maioria dos seus colegas de profissão, mas só isso.

Agora isto…  Eu até acho que entendo a ideia do director desportivo do Sporting.  Para mim, ele vir para os jornais com este tipo de conversa só pode ser para enganar os sportinguistas. Sim, porque para os restantes… “acho” que não consegue.

Dizer que é o Sporting, tudo normal, agora dizer-se “anti-qualquer outro clube” é demagógico… Não começa muito bem este sr.director desportivo do fato aos quadradinhos.

Salários dos jogadores muito altos

Publicado em

Os campeonatos de futebol da Itália, Espanha e Inglaterra estão à beira da falência por causa dos altíssimos salários pagos a seus jogadores. A constatação está em relatório da consultoria AT Kearney.

Só os campeonatos da Alemanha e França são considerados lucrativos – 2% e 1%, respectivamente. Na Itália, o prejuízo é de 12%, na Espanha é de 7% e, na Inglaterra, de 5%.

O relatório diz que, se estes campeonatos deficitários fossem empresas, “estariam falidas em menos de dois anos”, e faz um grave alerta: “Não é absurdo pensar que alguns clubes podem fechar as portas num prazo médio”. Os clubes não são especificados no relatório.

Segundo a AT Kearney, a forma da escolha dos presidentes de clubes como Barcelona e Real Madrid – os dois que mais investem na contratação de “estrelas” internacionais – é feita por sócios e iniciativas como realizar grandes contratações são muito mais populares que o aumento do preço dos ingressos ou obtenção de novos patrocinadores.

Aqueles que nunca se enganam

Publicado em Atualizado em

Existe um tipo de pessoas que tenho grandes dificuldades em lidar, são aqueles, cujas mentalidades andam um pouco à volta do “NUNCA ME ENGANO E RARAMENTE TENHO DÚVIDAS”.

Apercebi-me mais em detalhe deste “tipo de ser humano” ao cruzar-me um dia, já há alguns anos, com um engravatadinho que teve como missão despedir-me de um emprego por onde passei.  Essa pessoa que nunca chegou a conhecer-me minimamente teve a infelicidade de me avaliar, utilizando argumentos que me deixaram completamente parvo.  Chegou a indicar-me aquilo que eu deveria fazer no futuro, atendendo ao que entendia ser o meu perfil. Estava errado, posso garantir hoje (na altura ainda me pôs a reflectir, juro).

Isto vem a propósito de algumas coisas que se vão passando com os ditos sábios e ultimamente no futebol português, como sejam:  Jorge Jesus (com as situações de Quim e de Éder Luís) e Carlos Queirós com as desculpas de quem é velho para convocar (e os outros!!!!) ou ainda as teorias sobre o Butt (GR que não servia para o Benfica e poderá ser o titular da Alemanha no mundial 2010).

Estas pessoas que são assim, podem ter que decidir, compreendo, mas nunca devem menosprezar outro ser humano.