Benfica

Benfica prepara a próxima época de foot-ball

Publicado em

Como eram diferentes as coisas do futebol há 100 anos atrás.
A notícia publicada no jornal “A Capital” de 20 de agosto de 1915, apelava às “inscripções” de jogadores com a máxima brevidade tendo em vista a organização do próximo campeonato da A.F.Lisboa. Mais ainda, informa que aceitam propostas para “desafios-treinos”.

1915.08.20 a capital - futebolis

Vídeo com funcionários da SportTV

Publicado em Atualizado em

Fábio Coentrão

Publicado em Atualizado em

Em 4 de Julho de 2007,  já lá vão quase 3 anos fiz este “post” , onde com uma só frase dizia exactamente aquilo que pensava “Pessoalmente, acho que o puto se tiver juízo vai ser o ídolo da Luz.”

Actualmente, e depois deste tempo todo, campeão pelo Benfica e provável titular na selecção portuguesa, fico satisfeito pela minha previsão. Confirma-se na entrevista dada pelo próprio Fábio ao  “O Jogo

Compra-se ou Vende-se em 1965

Publicado em Atualizado em

Gosto de ler, não só sobre futebol, mas também o que gira à volta dele. Coisas recentes ou menos recentes. Numa dessas leituras (mais antigas) encontrei esta preciosidade:

“Há tempos escrevi um artigo sobre o temor de que o futebol tomasse os rumos do boxe profissional. Foi a propósito do jogo final da Copa da Europa entre o Internazionale de Milão e o Benfica de Portugal, acho que em 1966 [fui verificar e afinal é 1965].  O Benfica foi vencedor em Lisboa e o Inter, em Milão. A terceira partida, pelo regulamento da UEFA, tería de ser decidida em um país neutro. Acontece que um “comendatore” qualquer mandou brasa e comprou o jogo para ser disputado na sede do Inter.  O Benfica vendeu. Fiz um protesto no almoço oferecido à imprensa, antes do jogo, lamentando que a partida não teria conteúdo esportivo porque o Benfica, em Milão, não tinha nenhuma chance.  Claro que perdeu.  Fui aplaudido pelos colegas portugueses, os de Angola, Moçambique e também pelos colegas franceses, um deles o Jacques Ferrand, outro o François Thebaud. Também pelo Arthur Agostinho, naquele tempo locutor da Rádio Nacional de Lisboa e, hoje, de corpo e vida presentes na Rádio Globo do Rio de Janeiro. Realmente assistíramos a um escândalo e a um esbulho nos torcedores portugueses, principalmente nos do Benfica.”

In: Saldanha, João: Futebol & Outras histórias – Rio de Janeiro: 1988

E esta hein!

<!–[if !mso]> <! st1\:*{behavior:url(#ieooui) } –>

//Compra-se ou Vende-se

Há tempos escrevi um artigo sobre o temor de que o futebol

tomasse os rumos do boxe profissional. Foi a propósito do jogo final da Copa da Eu-

ropa entre o Internazionale de Milão e o Benfica de Portugal, acho que em 1966. O

Benfica foi vencedor em Lisboa e o Inter, em Milão. A terceira partida, pelo re-

gulamento da UEF A, tería de ser decidida em um país neutro. Acontece que um

comendatore qualquer mandou brasa e comprou o jogo para ser disputado na sede

do Inter. O Benfica vendeu. Fiz um protesto no almoço oferecido à imprensa, antes

do jogo, lamentando que a partida não teria conteúdo esportivo porque o Benfica,

em Milão, não tinha nenhuma chance. Claro que perdeu. Fui aplaudido pelos

colegas portugueses, os de Angola, Moçambique e também pelos colegas franceses,

um deles o Jacques Ferrand, outro o François Thebaud. Também pelo Arthur

Agostinho, naquele tempo locutor da Rádio Nacional de Lisboa e, hoje, de corpo e

vida presentes na Rádio Globo do Rio de Janeiro. Realmente assistíramos a um

escândalo e a um esbulho nos torcedores portugueses, principalmente nos do

Benfica.

Aos poucos Rui Costa poderá conseguir

Publicado em Atualizado em

Quando assumiu a pasta do futebol do Benfica, Rui Costa verticalizou objectivos, e uma das suas prioridades era dar uma volta profunda ao sector de formação, de modo a reactivar a dinâmica de criação de talentos e posterior projecção dos mesmos na equipa sénior. No ano passado fez regressar Miguel Vítor, um jovem central que – além de formar dupla com o rival Daniel Carriço nos sub-21 – vai consolidando posição no plantel e no onze titular, beneficiando, é um facto, de circunstâncias ditadas pela conjuntura e pela própria concepção do grupo de trabalho; na próxima época é garantido que haverá mais sangue da casa entre os seniores: os principais candidatos a (pelo menos) uma vaga são Yartey – extremo-esquerdo -, Leandro Pimenta – um seis ao estilo de Rúben Amorim – e David Simão – médio organizador -, todos no último ano de juniores.

58 nomes para 2008/2009

Publicado em Atualizado em

Cavallieri, Fábio Costa, Seitaridis, Golansky, João Pereira, José Castro, Ricardo Rocha, Durval, Thiago Silva, Ayala, Jorge Ribeiro, Djalma, Caneira, Adrian Ropotan, Albelda, Cleber Santana, Pedro Mendes, Paulo Assunção (Jan.2009), Carlos Martins, Yebda, Ruben Amorim, Balboa, David Odonkor, Dica, Tiago, Escudero, Thiago Neves, Danilinho, Fernandez, Zolton Gera,Valdívia, Buonanotte,Wendell, Eduardo Costa, German Denis, Julien Toudic,Gouffran, Ghilas, Aimar, Sérgio Garcia, Negredo, Vicente, Sobis, Reys, Luís Garcia, Sinama-Pongolle, Micolli, Roger Guerreiro, Falcão, Djebbour, Diogo, Soldado, Pauleta, Bráulio, Dela Red, Granero, Yassine Chikhaoui e Wesley.

São 58 nomes que contabilizei desde o dia 25 de Maio até hoje 25 de Junho.

Nomes de futebolistas apontados pela imprensa como possíveis reforços do S.L.Benfica. Realmente é o maior clube do mundo.

Os nomes para treinador do Benfica

Publicado em

Este post só tem um objectivo: registar os nomes de futuros treinadores do Benfica, sugeridos pela imprensa hoje dia 11 Março, após a saída de Camacho e para futura consulta.

A Bola: Carlos Queiros, Carlos Bianchi, Peseiro, Fatih Terim e Alberto Malesani.
Correio da Manhã: José Mourinho, Humberto Coelho, Luiz Felipe Scolari e os italianos Alberto Malesani e Alberto Zaccheroni.
Record: Jorge Jesus, Carlos Carvalhal, Humberto Coelho e Malesani.
DN: Malesani e Zaccheroni e Queirós.
Público: Queiroz, José Peseiro, Alberto Malesani, Carlos Bianchi, Carlos Carvalhal e José Mourinho!
O Jogo: Não arriscou