Prospecção

Identificação de jovens talentos para o futebol

Publicado em

Os estudos académicos não são muitos, mas já vão aparecendo alguns sobre o tema acima mencionado, este artigo de revisão é o mais recente:

“The purpose of this review article was firstly to evaluate the traditional approach to talent identification in youth soccer and secondly present pilot data on a more holistic method for talent identification. Research evidence exists to suggest that talent identification mechanisms that are predicated upon the physical (anthropometric) attributes of the early maturing individual only serve to identify current performance levels. Greater body mass and stature have both been related to faster ball shooting speed and vertical jump capacity respectively in elite youth soccer players. This approach, however, may prematurely exclude those late maturing individuals. Multiple physiological measures have also been used in an effort to determine key predictors of performance; with agility and sprint times, being identified as variables that could discriminate between elite and sub-elite groups of adolescent soccer players. Successful soccer performance is the product of multiple systems interacting with one another. Consequently, a more holistic approach to talent identification should be considered. Recent work, with elite youth soccer players, has considered whether multiple small-sided games could act as a talent identification tool in this population. The results demonstrated that there was a moderate agreement between the more technically gifted soccer player and success during multiple small-sided games.”

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23046427

Prever o sucesso de um jogador de topo (estudo científico)

Publicado em Atualizado em

O Investimento em jogadores de futebol é um negócio arriscado e onde faltam ferramentas de previsão. Um estudo publicado recentemente sugere que a precisão na escolha das futuras estrelas deve incluir não só a análise da capacidade física e o controlo da bola. Os dados sugerem que as medidas de funções executivas com testes neuropsicológicos validados podem estabelecer se um jogador tem a capacidade de atingir níveis mais altos no futebol. Assim, o presente estudo pode alterar a forma de ver e analisar o recrutamento de novos talentos.

Poderá consultar o estudo na sua totalidade aqui

É preciso acordar para a realidade e… mudar!

Publicado em Atualizado em

Nos últimos dez anos, a dívida dos clubes junto da banca aumentou 500 milhões de euros, mas entretanto a conjuntura mudou, face às restrições actuais no acesso ao crédito, e a realidade aconselha a uma mudança de paradigma.

No estudo “Competição fora das 4 linhas“, encomendado pela Liga de Clubes à Universidade Católica é exposta a falta de viabilidade financeira da actual I e II Ligas e a importância de as equipas B passarem a competir a nível profissional, dinamizando a prospecção e a projecção de talentos. “Tal como o país, o futebol profissional precisa de acordar para a realidade.

Os números mostram um futebol profissional com um crescimento muito superior do do próprio país, mas assente numa base de endividamento e financiamento.

O recém-criado Observatório do Futebol Profissional, nascido a partir deste estudo,  é constituído por elementos da Liga de Clubes e da Universidade Católica. Este grupo de trabalho, procurará rentabilizar ao máximo o leque de informação recolhido para ajudar os clubes a delinear as suas estratégias de gestão a diversos níveis, desde as equipas B até outros parâmetros relacionados com o âmbito da sua actividade no futebol profissional. “Será uma importante forma de conhecimento e a ela recorreremos de forma permanente e sistemática”, acrescentou Fernando Gomes (Presidente da Liga de Clubes).

Será que vai produzir resultados práticos? espero que sim. Foi preciso tanto tempo para se saber da importância da projecção de talentos.

Europeu de Sub-17 começou

Publicado em

O Campeonato da Europa de Sub-17 começa esta terça-feira na Sérvia, com a Inglaterra a defender o título conquistado há 12 meses no Liechtenstein. Nos últimos dias choveu muito na Sérvia, mas o mau tempo não esmoreceu o entusiasmo gerado pelo primeiro torneio da UEFA disputado no país. A animação começou com a libertação de fumo artificial na cerimónia de boas-vindas, que decorreu no sábado, em Novi Sad. São esperadas boas assistências nos jogos, uma vez que as entradas são gratuitas.

A anfitriã e o detentor do título ficaram colocados no Grupo A, com a Sérvia a estrear-se frente à Dinamarca, em Novi Sad, enquanto a Inglaterra mede forças com a França, em Indjija.

No Grupo B, a Alemanha quer repetir o triunfo da final de 2009 e bater a Holanda em Smeredervo, ao passo que a República Checa apadrinha a estreia da Roménia, em Belgrado. As outras duas jornadas da fase de grupos estão marcadas para sexta-feira e sábado, com os dois primeiros de cada grupo a passarem às meias-finais, a serem disputadas a 12 de Maio, no Estádio do Karadjordje. Este recinto de Novi Sad será igualmente o palco da final, três dias depois. Os jogos disputados em Novi Sad e em Smederevo vão ter transmissão no canal Eurosport, começando pelo Sérvia-Dinamarca, que será seguido do encontro entre a Alemanha e a Holanda.

Os três primeiros classificados de cada agrupamento garantem a qualificação para a fase final do Campeonato do Mundo de Sub-17, no México, a realizar entre 18 de Junho e 10 de Julho. A Suíça foi eliminada na Ronda de Elite, pelo que não irá poder defender o título conquistado há dois anos na Nigéria. Invulgar é também a ausência da Espanha, vencedora por duas vezes do Europeu, mas batida pela Inglaterra na reedição da final do ano passado.

Sérvia (anfitriã) – Jogadores a seguir: Lazar Marković (médio/avançado, FK Partizan), Dejan Meleg (médio, FK Vojvodina)

Dinamarca – Jogadores a seguir: Viktor Fischer (avançado, FC Midtjylland), Lucas Andersen (médio, Aalborg BK), Frederik Holst (defesa, Brøndby IF), Kenneth Zohore (avançado, FC København)

Inglaterra – Jogadores a seguir: Nathaniel Chalobah (defesa, Chelsea FC), Hallam Hope (avançado, Everton FC), Raheem Sterling (médio, Liverpool FC)

França – Jogadores a seguir: Quentin Beunardeau (guarda-redes, Le Mans FC), Sébastien Haller (avançado, AJ Auxerre), Raphaël Calvet (defesa, AJ Auxerre), Abdallah Yaisien (avançado, Paris Saint-Germain FC) Grupo B (Smederevo/Belgrade)

Holanda – Jogadores a seguir: Memphis Depay (médio, PSV Eindhoven), Anass Achahbar (avançado, Feyenoord), Kyle Ebecilio (defesa, Arsenal FC)

Alemanha – Jogadores a seguir: Samed Yesil (avançado, Bayer 04 Leverkusen), Emre Can (médio, FC Bayern München), Levent Aycicek (médio, VfL Wolfsburg)

República Checa – Jogadores a seguir: Lukáš Stratil (médio, FC Baník Ostrava), Luboš Adamec (defesa, Juventus) .

Roménia – Jogadores a seguir: Bogdan Ţiru (avançado, Viitorul Constanţa), Claudiu Bumba (defesa, FC Maramures Baia Mare), Darius Buia (médio, LPS Banatul Timişoara), Fabian Himcinschi (avançado, Unirea Alba Iulia), Laurenţiu Brănescu (guarda-redes, Juventus)

Fonte: uefa

Os intermediários do futebol

Publicado em Atualizado em

A figura do(s) agente(s) FIFA nos negócios das transferências de jogadores é simplesmente vergonhoso, e os dirigentes dos clubes são os culpados disto. Porque recorrer a este intermediários? Partilha de dinheiros entre grupos de amigos?
Não poderia deixar passar esta notícia, hoje publicada no jornal o jogo.


“Bebé rendeu €5,5 milhões

O rumor de que o Guimarães não absorveu a totalidade do dinheiro resultante da venda de Bebé para o Manchester United bate certo. O clube nunca reagiu com um desmentido categórico ao que anda de boca em boca há algum tempo, praticamente desde meados de Agosto, altura em que ocorreu a transferência, mas é falso que a Gestifute, do empresário FIFA Jorge Mendes, tenha sido a parte que mais lucrou com o negócio, estimado então em 10 milhões de euros. Na verdade, processou-se por um pouco menos (cerca de nove milhões), pertencendo, porém, ao clube minhoto o encaixe maior, qualquer coisa como 5,5 milhões correspondentes a 60 por cento da transacção. Por sua vez, a Gestifute lucrou cerca de 3,5 milhões, entrando neste montante já os “habituais” 10 por cento previstos para os agentes FIFA que intermedeiam transacções deste tipo. Não deixou de ser um supernegócio, impensável até para clubes de maior dimensão em Portugal, e essa será uma das mensagens que Emílio Macedo passará na Assembleia Geral do clube de sexta-feira, quando os sócios presentes lhe pedirem explicações sobre os contornos da transferência que mais deu que falar em Portugal e Inglaterra.

Oriundo do extinto Estrela da Amadora (II Divisão) e com apenas 20 anos,Bebé não passava de um desconhecido quando se juntou à equipa vitoriana no estágio da pré-época em Quiaios, sendo na altura contratado a custo zero. Os posteriores jogos de preparação acabaram por mostrar, porém, um craque, de qualidades especiais, que não passaram despercebidas à Imprensa, a Jorge Mendes e até mesmo ao ex-seleccionador Carlos Queiroz, que, quando consultado por Alex Ferguson, deu as melhores referências sobre o jogador, recomendando aos “Red Devils” a sua rápida contratação. Assim se cumpriu este curioso conto de Fadas e logo a envolver um ex-inquilino da Casa do Gaiato de Loures.

Salário aumentado antes da partida

À luz da generalidade dos vencimentos milionários que são pagos na Liga Sagres, Bebé era dos jogadores mais baratos do plantel vitoriano, quase uma pechincha. Contratado a custo zero, assinou um contrato de longa duração, acertando um vencimento anual de 30 mil euros. Semanas antes de entrar em cena o Manchester United, a sua retribuição foi revista e aumentada para 100 mil euros.

O craque é que escolheu ser diabo vermelho

Agosto foi realmente escaldante para Bebé. Além do Manchester United, dois clubes espanhóis e um italiano manifestaram interesse nos seus serviços e ofereciam praticamente as mesmas condições financeiras. Na hora de decidir, prevaleceu a vontade do jogador em experimentar os grandes palcos do futebol inglês, ao lado de estrelas como Paul Scholes, Wayne Rooney ou Nani.

Factos curiosos

– Antigo jogador da equipa profissional na década de 80, Adão acompanhou atentamente a última época de Bebé no Estrela.

– Perante os relatórios positivos elaborados pelo “scouting”, Manuel Machado deu luz verde à contratação.

– Venda para o MU poderia ter sido mais lucrativa se o Guimarães fizesse valer a percentagem (70 por cento) que detinha sobre o passe do jogador. O clube preferiu compensar a acção promocional da Gestifute, abrindo mão de 10 por cento.”

Atenção: Há mais BEBÉS por cá

Publicado em Atualizado em

Dez estrelas a seguir

Publicado em Atualizado em

O UEFA.com escolheu dez jogadores que deram nas vistas com as suas exibições em França, deixando os adeptos de Benfica, Chelsea, Liverpool e Barcelona com elevadas expectativas para o futuro.

A equipa de repórteres do UEFA.com escolheu dez jogadores que deram nas vistas em França nos últimos 15 dias.

Jerson Cabral (médio, Holanda)
Um dos destaques numa participação holandesa decepcionante, o extremo do Feyenoord iniciou o torneio no flanco esquerdo, antes de trocar para o oposto. E em boa hora o fez. Efectuou um cruzamento perfeito para Steven Berghuis fazer o golo da vitória frente à Inglaterra e mostrou-se exímio na arte de enganar os defesas adversários, flectindo para dentro fazendo uso do seu forte pé esquerdo.

Danilo (médio, Portugal)
Impressionante nos primeiros dois jogos de Portugal, o jovem do Benfica suportou o meio-campo de forma perfeita, demonstrando uma maturidade pouco comum para a idade. Forte e atlético, foi a plataforma de lançamento para muitos dos ataques da sua equipa e mostrou excelente rigor e disciplina na defesa da sua posição em frente do quarteto defensivo, o qual ajudava sempre que necessário.

Mattia Destro (avançado, Itália)
Marcou oito golos na fase de qualificação, mas não conseguiu repetir a proeza na fase final, apesar de três remates nos primeiros dez minutos da partida inaugural, frente a Portugal. Mesmo pouco apoiado, foi sempre perigoso, com a sua estatura e bom controlo de bola a valer uma atenção especial da parte dos adversários.

Marco Djuricin (avançado, Áustria)
Uma presença irrequieta na frente de ataque austríaca. Desperdiçou cinco ocasiões de golo flagrantes na última jornada da fase de grupos, frente à Holanda, mas mostrou nervos de aço quando converteu o penalty decisivo que garantiu a presença da sua selecção no Campeonato do Mundo Sub-20, no próximo ano.

Antoine Griezmann (avançado, França)
Inclusão de última hora nos “bleus”, os raides do jogador da Real Sociedad de Fútbol pelo flanco esquerdo causaram inúmeros problemas aos defesas contrários, especialmente na fase de grupos, frente à Áustria, quando marcou dois golos e fez a assistência para outro.

Matthew James (médio, Inglaterra)
Um dos sobreviventes da equipa que chegou à final da época passada. Desta feita envergou a braçadeira de capitão e deu o exemplo com uma série de exibições empenhadas e incansáveis, jogando simples e prático, um dos pontos-fortes da Inglaterra.

Gaël Kakuta (avançado, França)
A estrela em ascensão do Chelsea FC esteve à altura da sua reputação, com vários dribles estonteantes, e mostrou a sua técnica refinada em alturas cruciais frente a Holanda e Croácia. Foi um dos quatro jogadores franceses titulares em todas as partidas, oferecendo o golo da vitória na final a Alexandre Lacazette.

Filip Ozobić (médio, Croácia)
Relativamente inconsequente nos dois primeiros jogos, apareceu em força frente a Portugal, desempenhando papel de relevo em três dos cinco golos croatas, marcando ele próprio o quarto. Astuto e difícil de marcar, o seu pequeno gabarito escondeu uma resistência que fez dele o jogador mais massacrado do torneio.

Daniel Pacheco (médio, Espanha)
Sagrou-se melhor marcador da competição, com quatro golos, quase sempre após flectir da esquerda para o meio e rematar. O avançado do Liverpool FC foi o autor dos dois golos frente a Portugal, na segunda jornada, voltando a facturar ante a Itália e inaugurando o marcador na meia-final, no triunfo sobre a Inglaterra.

Thiago Alcántara (médio, Espanha)
Habilidoso médio-defensivo, Thiago foi primordial ao lado de Oriol Romeu, companheiro de equipa no FC Barcelona, orquestrando grande parte das jogadas ofensivas da Espanha. Também esteve envolvido num dos momentos mais memoráveis da competição, na meia-final, frente à Inglaterra, levantando a bola por cima da barreira e oferecendo o terceiro golo a Sergio Canales.

©UEFA.com 1998-2010.